Arquivo da categoria: documentário

Mulheres de Farda

Mulheres de Farda são diferentes, atraentes, misteriosas. Apesar deste olhar inicial que votamos a elas ser bem clichê, procuramos ir além. Desejamos despojar as fardas das mulheres militares para descobrir o que há por trás de suas roupas: são mulheres, mas são comuns? O cotidiano delas envolve assuntos, posturas e dificuldades diferentes do cotidiano de quaisquer outras mulheres em profissões não-militares. O que difere umas das outras? Elas têm as mesmas expectativas quanto à formação de uma família e a geração de filhos? Quais são os riscos da carreira nos planos de vida destas mulheres, às vezes armadas? Nossa proposta é descobrir exatamente o que acontece no cotidiano das Mulheres de Farda. Quanto de seu uniforme elas estarão permitidas ou dispostas a se despojar para nos revelarem os mistérios de suas diferenças? Quantas semelhanças descobriremos entre estas e todas as outras mulheres? Quantos desejos? Quantas ambições? Quanta feminilidade? Mulheres de Farda podem ser interessantíssimas, mas elas ainda são mais do que o que representa a farda que vestem.

Anúncios

Gravações – Primeiros depoimentos

Começamos a gravar o documentário na semana anterior. Os primeiros depoimentos foram da Major Mária e da Sargento Raquel. Elas conversaram conosco sobre a profissão militar e a vida particular, além de compartilhatrem algumas impressões sobre as questões femininas. Sempre simpáticas e solícitas, nos levaram a um auditório cheio de quadros de Coronéis da Polícia Militar para que pudéssemos gravar os depoimentos com tranquilidade.
A ansiedade antes de encontrarmos com elas era enorme. Mesmo tendo ocorrido um primeiro contato para a apresentação da proposta, dias atrás, a expectativa do primeiro dia de gravação foi muito grande. Tudo correu muito bem. O Léo, responsável pelo som e câmera, fez planos de detalhe da locação enquanto aguardávamos a Major e a Sargento. Eu e Bruna acertávamos pormenores da abordagem enquanto isso.
Os depoimentos foram muito enriquecedores e todos ficamos muito satisfeitos com o resultado. Apresentamos uma pequena amostra do material bruto para a professora Maria de Fátima na sexta-feira, já com algumas partes do som tratadas pelo Léo. Nossa produtora, Leila, não pôde comparecer, pois estava viajando a trabalho, atuando em um filme. Vida de cineasta não é mole! A correria come solta! Mas trabalhar com projetos interessantes, como este documentário, e conhecer pessoas inteligentes e gentis, como nossas personagens, certamente torna nossa vida melhor. 🙂

Primeiro dia de filmagem

Hoje está acontecendo nosso primeiro dia de filmagem no Comado Geral. Major Mária me ligou há dois dias atrás para se colocar à disposição, mais uma vez, mas agora ela se dispôs a nos acompanhar enquanto outras militares serão documentadas. Seria maravilhoso se ela nos deixasse acompanhar um pouco do seu Dia das Mães, lá com sua família.
Eu, como produtora, estarei, hoje, somente na base, até porque será melhor que a equipe se faça com no máximo três componentes (diretoras e câmera).
Veremos o que vai dar.

Só para constar!

Muito bem recebidas!

Situações que podem acontecer!

A Militar Raquel (ao lado de Major Mária), nos contou uma caso interessante e hilário: Ela estava, nesta semana, trabalhando (de farda!) na Savassi e foi abordada por um americano que queria saber onde se situava o Pátio Savassi. Depois de explicar o que o homem queria, o dito cujo, sem a menor noção do “perigo”, pergunta à linda moça, Raquel, se ela era casada. A moça confirmou que já era comprometida. Mesmo assim, o homem ofereceu á ela tudo de bom e do melhor em Los Angeles, pois ele era um jornalista bem sucedido e coisa e tal. Situação incomum para uma policial mas nada difícil de acontecer para a linda mulher que está por trás daquela farda.

Um Dia Incomum

Eu e Paola tivemos hoje um encontro bem informal com Major Maria, do Comando Geral da Polícia Militar de BH (PM5). Ela, assim como a outra militar, Raquel, estavam em trajes muito bem alinhados (fardas) e com muita elegância, beleza e desprendimento nos atenderam neste primeiro encontro.
Dona de um senso de humor invejável e contagiante, e surpreendentemente bonita e elegante, Major Mária trabalha duro, mas em um ambiente descontraído e bem diferente do que achamos ser uma repartição policial. Depois de 27 anos na carreira militar, ela pretende, neste ano, se aposentar e a partir de então, levar uma vida mais voltada para seus 3 filhos e seu marido, coronel da polícia militar. O curioso é que nos falou que nesta profissão os homens e mulheres se casam muito entre eles. Sua saída antes dos 30 anos obrigatórios para aposentadoria se deve ao fato de que, no ano passado, foi conseguido que o tempo para a aposentadoria diminuísse para as mulheres, agora sendo 25 anos de profissão.
Hoje, portanto, por ser o início do processo, a Major nos orientou bastante sobre as hierarquias do comando militar, suas funções e repartições: Bombeiro, Polícia Militar, Polícia de Trânsito, Marinha, Aeronáutica, GATE (Grupo de Ações Táticas Especiais), Exército, entre outras funções, como médicos, dentistas e psicólogos, prestadas por militares graduados, mas também profissionais da carreira militar.
Segundo Major Mária as mulheres militares são poupadas de trabalhos mais perigosos e que as expõe em grandes riscos, como ocorrências de assaltos, assassinatos e coisas do tipo. Justifica-se o porque de a ROTAM (ocorrências de alto potencial de riscos) não possuir policiais femininas. Há um caso de uma policial militar que foi assassinada em BH com um tiro na cabeça, há uns anos atrás, em plena ocorrência policial. O fato é que a policial chegou antes da escolta, formada por policiais masculinos, que, nestes casos, sempre as acompanham.
Há no âmbito militar em Minas Geraes um número muito pequeno no efetivo de mulheres dentro dessa carreira, chegando hoje a apenas 7% do total de militares; mesmo assim esse número subiu 3 % desde de 2008. Para se ter uma idéia, não há em MG uma pilota de aeronaves para o serviço militar, ficando aos homens, somente, esta função no estado (Batalhão de Rádio Patrulhamento Aéreo). Para ser uma pilota, a mulher militar deve gozar de um exemplar tipo e condicionamento físico. A justificativa para tão poucas mulheres nesta profissão se faz por alguns motivos, dentre eles: A mulher, assim como os eclesiásticos, não são obrigados a se alistarem no serviço militar, como os homens, na maioridade; Outro fato, é que há um certo preconceito ou até mesmo uma limitação ao entendimento para o que realmente significa ser uma mulher no serviço militar, o que fica subentendido para a sociedade que o serviço militar seja uma profissão quase e praticamente, masculina. O próprio condicionamento físico das mulheres também pode impedi-las na carreira militar, que, por sua vez, é muito exigente. Outro fato que justifica a pouca atuação de mulheres nesta área é que em 1989 foi fechada a Cia Feminina de Polícia, o que ajudou a diminuir o efetivo.
De dois em dois anos, os militares (homens e mulheres – sejam eles de qualquer subdivisão) são obrigados a fazerem uma semana de treinamento, onde passam por uma palestra preliminar e treinamentos físicos e operacionais como: Judô, tiro ao alvo, Atendimento de ocorrência, abordagem, etc.
Há ainda mulheres militares que participam da Orquestra da PM, tendo assim, um “hobbie”, podemos chamar, uma segunda profissão dentro da carreira. Porém, dentro da área de segurança, um militar, seja ele qual for, não se pode praticar mais de uma especialidade, por exemplo: um policial militar não pode ser um segurança nas horas vagas. Esta carreira é exclusivista, pode-se dizer assim.
Deixamos hoje o Comando Geral da Polícia Militar de MG com outro pensamento sobre estes profissionais: São pessoas comuns, que como qualquer um de nós conversam e dão risadas durante o expediente, que gostam de músicas e que, apesar de tanta pressão no trabalho, andam de bem com a vida. Ah, vale constar que conhecemos um policial DJ e o maestro, Capitão João Jorge, da Banda da PM – AMOS: Academia Musical Orquestra Show – policiais músicos que tocam de “cabo a rabo” (uma expressão, trocadilho, usado com humor por Major Mária que fez questão de nos apresentar para todos que trabalham ao seu lado.)
Para um próximo encontro, ela se disponibilizou em nos ajudar a conseguir a liberação para colher material no Corpo de Bombeiros (hoje, uma entidade separada deles, autônoma, mas que ainda são ligados pelo trabalho e amizade) e também tentará conseguir, com sua influência, uma autorização para visitarmos outras subdivisões militares. Ou seja, encontramos a pessoa certa para este documentário. Uma mulher de fibra, carisma e muita força e simpatia.
O espírito irreverente da Major (nossa estrela; ela aceitou ser um de nossos personagens!) traz no seu toque de celular uma música do Cold Play (ela foi no show!), e para hoje, seu programa é no AXÉ BH com sua família.
Agradecimentos: Major Mária, Major Alberto Luis, Sgt. Raquel, Capitão João Jorge.

Documentando

Até mesmo as pessoas que nunca fizeram um documentário, ou estudaram sobre isso, imaginam as dificuldades que os realizadores têm de encontrar personagens e conseguir a permissão dos mesmos para cederem imagens de suas vidas. Estamos neste processo de encontros, negociações, acordos e autorizações. Amanhã ocorrerá um passo importantíssimo: Temos hora marcada com a Major Máira, uma das nossas prováveis personagens,  para discutirmos as possibilidades de nossa proposta.

A preparação para este tipo de encontro é fundamental. Estamos revendo os documentos escritos, a carta de apresentação, o cronograma e tudo o que for necessário para que nosso encontro seja o mais esclarecedor e produtivo possível. É importantíssimo estar com todas estas etapas estruturadas para viabilizarmos o andamento de nosso projeto, além de pontuar o profissionalismo existente neste trabalho, ainda que ele esteja sendo realizado com propósitos acadêmicos.

Aguardem nossas impressões da entrevista e o próximo passo do documentário “Mulheres de Farda”.

Major Mária + Film Comission

MAJOR MÁRIA

A Carolina Gontijo, da Film Comission, com todo o seu jeitinho e competência, me colocou em contato com a Major Mária, da PM 5 (situada na Rua da Bahia / Praça da Liberdade BH/MG).
Por incrível que pareça, hoje pela manhã, recebi um telefone da Major para falarmos sobre nosso documentário “Mulheres de Farda”. Confesso que me surpreendi com tamanha disponibilidade, e, é claro, só tenho o que agradecer.
Com muita propriedade, Major Mária me alertou que não filmássemos em dependências internas de penitênciárias, uma vez, que as mulheres que lá trabalham (usam uniforme e não fardas) são AGENTES e não MILITARES FARDADAS. São mulheres muito importantes e imprescindíveis para o meio, porém não são concursadas para a carreira militar. Assim sendo, imagens sendo feitas em presídios e penitênciárias podem abranger de mais ou de menos nosso alvo. Concordo completamente, e , quem sou eu para contestar Major Maria.
Teremos um encontro (ou vários) na semana que vem, no(s) qual(s) ela se disponibilizou em nos mostrar vídeos, apresentar outras militares e abrir seu universo para nós, estudantes de cinema.
Mulheres como Major Mária são de extrema importância para nosso trabalho. Sem preconceitos limitadores que impossibilitariam nosso documentário, ela tem tudo para ser um personagem completo deste filme e uma grande parceira.
Obrigada, Carol Gontijo. Obrigada Major Mária.

Itens de pesquisa

Aí está uma coisa que nos interessa!!! Mulheres por trás das fardas!

Penitênciária Feminina Estevão Pinto

Hoje iniciei a produção do documentário “Mulheres de Fardas”. Depois de algumas poucas reuniões com meus colegas, as quais decidimos as funções de cada um dentro desta produção, ficou sobre minha responsabilidade tal função.

Ainda bem perdidos sobre qual rumo tomar, qual linguagem, o que abranger, o que não abranger, o que focar, entre tantas outras dúvidas, já é hora de partir para a prática. Ao meu ver, ainda é cedo, pelo o que temos em projeto e pela orientação, até agora, dada pela professora, Maria De Fátima Augusto. Não que ela não tenha dado informações suficientes para o trabalho, mas é certo que deveríamos ter um pouco mais de tempo para pesquisar e para o planejamento do filme. Exemplo disso, é o fato de que para obter o alvará para filmagens internas, em muitos casos, como no abaixo descrito, será necessário ter, já planejado, os dias e horários que a equipe se disponibilizará. Ou seja o cronograma deve ser feito antes de iniciar a produção, no quesito prática.

Enfim, A Penitênciária Feminina Estevão Pinto, situada na Av. Dos Andradas, em Belo Horizonte, foi meu primeiro foco nesta busca pelas mulheres militares dentro de nossa cidade. Consegui fazer algumas fotos da fachada da penitênciária, mas para fazer imagens das dependências internas de lá será preciso uma reunião formal com o Dr. Hamilton Mitri, responsável pela Superintendência Prisional. Diga-se de passagem, este tipo de reunião causa certo “friozinho na barriga”.

Fui muito bem recebida no local e desde já agradeço a atenção e cuidado da agente Lílian, que me atendeu e me orientousobre as condições da instituição. Agradeço, também, ao simpático Gilberto, guarda que me auxiliou e que, com certeza, está torcendo para que dê certo nossa experiência.